O turco-suíço de 26 anos acusado de ter morto à facada um português num restaurante de kebab em Morges, Suíça, no sábado passado, terá saído de prisão no mês de julho, segundo as autoridades.

Em comunicado, o Ministério Público da Confederação (MPC) refere que o suspeito do homicídio do jovem português, de 29 anos, vítima de homicídio na noite do 12 de setembro já era conhecido pelas autoridades.

O acusado de 26 anos de dupla nacionalidade suíço-turca tinha sido detido e mantido em prisão preventiva no mês de abril de 2019, na sequência de um ataque incendiário a uma estação de serviço em Prilly (VD). Foi no decurso deste caso que o Ministério Público do Cantão de Vaud, se deparou com indícios de possíveis antecedentes jihadistas do suspeito.

O MPC acrescenta que o indivíduo já estava na mira do Serviço Federal de Identidade (FIS) desde 2017, devido ao consumo e divulgação de propaganda jihadista.

Segundo a Rádio e Televisão Suíça (RTS), que cita uma fonte próxima da investigação, o arguido terá confessado o crime de Morges, por vingança contra o "Estado suíço" e para "vingar o Profeta".

"Ele atacou um homem representando a população suíça", de acordo com a mesma fonte citada pela RTS.

Após vários meses em prisão preventiva na sequência do incêndio em Prilly, o suspeito foi posto em liberdade, em julho passado, sujeito a medidas alternativas de pena de prisão, previstas no código penal suíço.

O Ministério Público explica que a libertação do suspeito foi baseada num relatório psiquiátrico. Segundo consta no comunicado, o arguido apresentava transtornos psicológicos.

Até à data do crime de Morges, as autoridades não tinham registado nenhuma violação por parte do suspeito às condições de libertação.

O ataque teve lugar no sábado à noite cerca das 21:20 hora local (20:20 em Lisboa), num restaurante perto da estação de comboios de Morges, no cantão de Vaud. A vítima, que morreu no local, era um cidadão português de 29 anos que residia há pouco na região e trabalhava na apanha da maçã. A vítima aguardava a sua vez na fila do restaurante de kekab quando, sem motivo aparente, um suspeito o atacou com uma arma branca.

Na hora do crime, a vítima estava acompanhada da namorada e de amigos, que assistiram ao caso.

Após uma noite de fuga, o agressor foi preso, no domingo passado, em Renens, pela polícia do cantão de Vaud.

No dia seguinte, a investigação foi assumida pelo Ministério Público. Os motivos que levaram ao ataque ainda não foram desvendados, mas o Ministério Público não descarta a hipótese de se tratar de crime terrorista.

A página Facebook Portugueses na Suíça informa a comunidade que será organizada uma missa de despedida à vítima, antes do corpo seguir para Portugal, esta tarde, pelas 15:00 locais (14:00 em Lisboa), em Lausanne.

Nos comentários de reação à publicação podem ler-se várias mensagens de força destinadas aos amigos e família e uma vaga de indignação pelo acontecimento trágico que custou a vida a um jovem inocente.

/ RL