«Tempos de espera na ordem das 24 horas nas urgências, a que acresce a falta de camas para internamento, colocam em risco a vida dos utentes», criticam, em comunicado a que a Lusa teve acesso, as comissões de utentes de saúde dos concelhos de Amadora e Sintra.



Períodos críticos


«Situação mais escandalosa ainda quando responsáveis da Administração Regional de Saúde assumem que os cuidados de saúde estão nas mãos de empresas de trabalho temporário e não de médicos, enfermeiros e auxiliares dos quadros», salienta-se no comunicado.





«Grave atentado aos direitos das populações»





Inquérito aos tempos de espera instaurado


A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) vai analisar a situação no Hospital Amadora-Sintra, que chegou a ter esperas de 20 horas na urgência, no âmbito de um inquérito sobre o acesso dos utentes que já tinha sido instaurado.