como alegam os médicos que se demitiram em bloco

«Nós sabemos que o Litoral Alentejano é uma zona extremamente carenciada de profissionais médicos, que é uma situação que já se arrasta há muitos anos».



«Já se abriram vários concursos. Ficamos sempre com as vagas sem ser preenchidas, o que dificulta, de alguma forma, aquilo que nós gostaríamos que fosse a unidade local de saúde do Litoral Alentejano».







«Temos algumas carências. Em termos de carências materiais, o Conselho de Administração diz que não tem conhecimento de nenhuma falta de material para os serviços e, portanto, eu, em princípio, tenho que acreditar».








«É o resultado de um acumular de situações. O balão foi enchendo, enchendo, até que, de repente, rebentou. O cansaço que atingiu os chefes do Serviço de Urgência do HLA é devido a uma série de políticas de cortes cegos que têm atingido os serviços de saúde, como o encerramento de centros e extensões de saúde, o que provoca a grande afluência de utentes às urgências».