Os trabalhadores do setor de alimentação dos Hospitais da Universidade de Coimbra afetos ao Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) estiveram esta quinta-feira em greve para reivindicar melhores salários e redução do horário de trabalho.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente sindical António Baião disse que somente 30% dos trabalhadores dos 170 escalados para o serviço desta quinta-feira estiveram a trabalhar para assegurar os serviços mínimos.

Fizemos uma proposta de aumento salarial de 90 euros acima dos salários base, que ainda não tem resposta, embora no dia 22 [de janeiro] haja uma reunião com a empresa", referiu o sindicalista.

Os trabalhadores pretendem também que o horário de trabalho seja reduzido faseadamente das 40 para as 35 horas semanais e que seja reconhecida a sua "antiguidade e saber".

Na sexta-feira, além dos trabalhadores do setor da alimentação, também os da lavandaria e resíduos de todas as unidades do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), do IPO e do Hospital Sobral Cid vão estar em greve pelos mesmos motivos.

Todos estes trabalhadores, que no total são cerca de 800, vão concentrar-se em frente à entrada principal dos Hospitais da Universidade de Coimbra e deslocar-se, em cordão humano, até à Praça 08 de maio, onde contam ser recebidos pelo presidente da Câmara Municipal.

Queremos dar visibilidade ao protesto, que é em nosso benefício, mas também da população, que terá serviços de melhor qualidade", frisou António Baião.

No caderno reivindicativo, António Baião salienta ainda a necessidade da administração central repor o número de trabalhadores necessários à prestação de serviços de qualidade aos utentes.

Segundo o dirigente sindical, os setores da alimentação, lavandaria e resíduos estão com dificuldades em recrutar trabalhadores devido aos salários baixos e ao facto de laborarem aos fins de semana e feriados.

Por outro lado, acrescentou, é necessário também que a administração central invista nas instalações e equipamentos que estão "um caos, face ao desinvestimento dos últimos anos".

/ CE