Conta quem já lá se hospedou e quem partilha comentários sobre o Home Lisbon Hostel que os deliciosos jantares confecionados pela mãe do proprietário são critério primordial no sucesso. E o item “O Jantar da Mamma” disponível no site do estabelecimento é prova da importância que têm as iguarias servidas à mesa.

Na rua de São Nicolau, no coração da baixa da capital, o Home Lisbon Hostel alia o requinte de um edifício antigo com o conforto da modernidade. Com base em mais de sete mil comentários no Hostelworld – a plataforma líder mundial de reservas de hostels -, o estabelecimento está na categoria “Ótimo”, com uma pontuação de 9.8 num máximo de 10. Uma nota que, pelo quinto ano consecutivo, se reflete no prémio de Melhor Hostel do Mundo de tamanho médio, atribuído nos Hoscars 2017 (Hostelworld Customer Annual Ratings).

Além do Home Lisbon Hostel, os prémios anuais da plataforma Hostelworld distinguiram mais estabelecimentos nacionais e consagraram Portugal como vencedor. O país foi o mais premiado, recebeu 15 menções, à frente de Espanha (que conquistou 10), Estados Unidos (9), Austrália (8) e Itália (8).

Com base em mais de um milhão de avaliações e comentários deixados em 2016 sobre 33 mil estabelecimentos de todo o mundo, a lista dos dez melhores hostels de tamanho médio do mundo integra o Yes! Lisbon Hostel (2.º classificado), Lost Inn Lisbon (3.º), Goodmorning Lisbon Hostel (4.º), Lisbon Destination Hostel (6.º) e Lisboa Central Hostel (9.º).

Da cidade do Porto, o Tattva Design Hostel arrecadou o prémio de 10.º Melhor Grande Hostel do mundo e o Pilot Design Hostel & Bar foi distinguido como Hostel Mais Popular do Porto.

Nas categorias específicas, o lisboeta Goodmorning Lisbon Hostel foi considerado pelos mochileiros como o hostel com a Melhor Atmosfera e o Yes! Hostels deu a Lisboa o prémio máximo da categoria Melhor Cadeia de Hostels.

Mudança de paradigma

Os Hoscars, considerados o último selo de aprovação da indústria dos hostels, provam a necessidade de distinguir estabelecimentos que já cativaram viajantes de todo o mundo. O segmento continua a crescer, em qualidade e em quantidade.

No Brasil encontra-se um bom exemplo da mudança de paradigma. Dados recentes do Ministério do Turismo brasileiro, citados pelo jornal “Folha de São Paulo” revelam que de 7 hostels em 2006 o Brasil passou a ter 188 estabelecimentos do género a partir de 2017.

Portugal está na linha da frente deste novo paradigma com cerca de 500 hostels de Norte a Sul. No ano passado, o país voltou a ser o 12.º que mais mochileiros recebeu em todo o mundo e os últimos dados divulgados no “Hostel Trend Report” mostram que os próprios portugueses estão a reservar mais dormidas em hostels. Prova disso foi o crescimento de 24% nas reservas do Hostelworld só no ano passado.

Dominada sobretudo por clientes da chamada Geração Y, nascida nos anos 80 e 90, a indústria dos hostels destaca-se como uma revolução no mercado da hospitalidade. Até o padrão deste tipo de estabelecimentos já se transformou. Segundo o estudo independente já aqui referido, o padrão deixou de ser o dormitório com casa de banho partilhada para passar a ser o quarto privado e os hostels temáticos, que são agora nove em cada dez. Números que comprovam a transformação da velha imagem do hostel como simples dormitório.

Mary Caiado