Bombeiros de Matosinhos, Unidade de Saúde Pública e Segurança Social estiveram este domingo a separar utentes contagiados dos restantes no Lar do Comércio de Matosinhos, onde há pelo menos cinco mortes confirmadas por Covid-19 e dezenas de casos positivos.

Ao que a TVI conseguiu apurar existem, pelo menos, 60 utentes e 25 funcionários infetados com o novo coronavírus. 

Os familiares que ali estão à porta queixam-se de falta de informação por parte da instituição.

Só começou a haver informação a partir de ontem, depois da Proteção Civil e do delegado de saúde ter tomado uma posição sobre isto. É inadmissível que, há mais de um mês e meio, só esta semana é que soubemos que havia falecimentos de utentes e casos positivos", disse à TVI um dos familiares dos utentes do lar. 

A serparação de utentes infetados e dos não infetados foi levada a cabo por 24 bombeiros de quatro corporações dos Bombeiros de Matosinhos

Nós temos aqui 24 operacionais dos bombeiros que responderam ontem a uma solicitação da instituição, para poder ajudar na organização interna do espaço e da mobilização de utentes face à mais recente evolução do estado epidémico dentro da instituição", disse o vereador da Proteção Civil da Câmara de Matosinhos em declarações à TVI. 

José Pedro Rodrigues classificou esta situação como "muito grave" e afirmou que a intervenção já devia ter sido feita há mais tempo. 

Na sexta-feira, o vereador tinha outra perspetiva da situação, admitido então um cenário de intervenção musculada depois de se confirmar que não tinham sido corrigido falhas identificadas na semana anterior pelas autoridades de saúde.

O lar foi já vistoriado pelas autoridades de saúde várias vezes, a última das quais no sábado, com o objetivo de avaliar medidas corretivas propostas em face da verificação do incumprimento das normas de seguranças, higienização e segregação dos utentes.

O primeiro caso positivo foi detetado no Lar do Comércio de Matosinhos em 12 de abril.

Para além de responsáveis da Segurança Social e da Unidade de Saúde Pública, estão envolvidos na operação de hoje 25 operacionais dos corpos de bombeiros voluntários de Leça do Balio, São Mamede de Infesta, Leixões e Matosinhos-Leça.

No sábado, iniciaram funções no lar 17 trabalhadores destacados pela Segurança Social no sentido de ajudar a corrigir as anomalias detetadas, mas há défice persistente de pessoal, com 60 dos mais de 100 funcionários de 'baixa', segundo fonte da instituição.

Matosinhos ultrapassou a barreira dos mil infetados pelo novo coronavírus (1.017 casos), segundo informação de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Em todos o país, indica a DGS, há 23.864 casos confirmados de infeção e 903 mortos.

Relativamente ao dia anterior, há em Portugal mais 23 mortos (+2,6%) e mais 472 casos de infeção (+2%).

Das pessoas infetadas, 1.005 estão hospitalizadas, das quais 182 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 1.277 para 1.329.

Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o Governo anunciou este domingo a proibição de deslocações entre concelhos no fim de semana prolongado de 1 a 3 de maio.

Sofia Fernandes . / Atualizada às 19:57