Três idosos do Lar São José, no Barreiro, morreram após um foco de covid-19, que continua a manifestar-se em 48 pessoas da instituição, informou esta terça-feira a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

De acordo com a ARSLVT, “os óbitos ocorreram ao longo da semana passada”.

Segundo a mesma fonte, numa nota escrita enviada à agência Lusa, a doença continua ativa em 35 residentes e em 13 profissionais do lar, que se localiza no distrito de Setúbal.

Do número de idosos infetados, seis estão internados e 29 permanecem no lar, mas há a lamentar a morte de três utentes que tinham testado positivo, indicou.

Já entre os profissionais, a doença continua ativa em 13 pessoas e “há um caso curado”, acrescentou. 

O surto no Lar São José foi detetado no início do mês e contabilizou no total 52 casos acumulados, dos quais 38 em residentes e 14 em trabalhadores.

Em declarações à Lusa, o presidente do município, Frederico Rosa (PS) também lamentou a morte das três pessoas e adiantou que também tinham associadas “outras patologias e outras causas que levaram a este desfecho”.

Já em relação à situação do lar, o autarca referiu que “os casos estão estabilizados” e que quando se verifica o “aumento de temperatura corporal as pessoas são de imediato levadas ao hospital para fazer a monitorização”.

As coisas estão controladas, mas é preciso sempre alguma cautela porque o 'controlado' são situações momentâneas”, afirmou.

Apesar desta situação, Frederico Rosa disse que os casos ativos no concelho “estão a diminuir” em relação aos últimos meses, em que se registou entre 100 a 120 casos ativos de covid-19.

Neste momento, das últimas informações que tenho da saúde pública, estamos com cerca de 80 casos ativos, sendo que metade se referem à situação da Misericórdia do Barreiro [Lar São José]", acrescentou.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 774.832 mortos e infetou mais de 21,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.784 pessoas das 54.448 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ AG