Um homem de 62 anos, proprietário de duas empresas angariadoras de mão de obra ilegal, foi constituído arguido numa operação realizada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), esta terça-feira em Lisboa, Évora e Faro.

Em causa estão indícios da prática dos crimes de auxílio à imigração ilegal e angariação de mão de obra ilegal.

De acordo com o SEF, na operação de busca em escritório e de fiscalização em seis locais de trabalho foi apreendida documentação comprovativa da atividade criminosa.

A operação, que envolveu 33 Inspetores do SEF, decorreu na sequência de uma investigação em curso no Serviço, sob coordenação do DIAP de Lisboa, teve como alvo os proprietários e gerentes de empresas de trabalho temporário, que fornecem mão de obra estrangeira para o setor da construção civil.

Os trabalhadores, boa parte em situação de permanência irregular em Portugal, aceitam condições de trabalho abaixo do legalmente previsto, com a negação de direitos de férias, baixas médicas ou pagamento de horas extraordinárias, provendo as empresas em investigação de elevados ganhos financeiros", detalhou o SEF.

Esta foi uma ação inserida do esforço que o SEF tem vindo a realizar para controlo da imigração irregular, "nomeadamente em locais de trabalho onde os cidadãos estrangeiros estão em situação de precariedade e desconhecimento da Lei, aproveitando-se os angariadores e empregadores da sua fragilidade".

Redação / RL