Artigo actualizado às 23h59

A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) registava 41 incêndios às 00h01 deste domingo, sendo as situações mais preocupantes nos concelhos de São Pedro do Sul (Viseu) e Pombal (Leiria), escreve a Lusa. Mas, neste momento, as chamas já não ameaçam habitações.

As chamas em São Pedro do Sul, aproximaram-se de povoações e lavraram junto a casas. Ao final da tarde foi mesmo reforçado o combate ao fogo com dois aviões espanhóis para evitar o pior, disse à Lusa o governador civil de Viseu, Miguel Ginestal.

Dois bombeiros e um habitante ficaram, entretanto, feridos e, pelo menos, 12 pessoas foram evacuadas devido ao incêndio na Serra da Gralheira, disse à Lusa o comandante operacional distrital.

Segundo César Fonseca, o incêndio obrigou a evacuar, pelo menos 12 pessoas, nas aldeias de Bustarenga e Anta de Cima.

«É provável que tenha havido mais pessoas evacuadas por precaução, porque inalaram muitos fumos, tiveram crises de ansiedade, mas algumas ainda não estão referenciadas aqui no posto de comando», explicou, cerca das 20:00.

Na povoação de Muro houve «dois bombeiros feridos com queimaduras» e ardeu um auto-tanque. Um residente que também sofreu queimaduras num braço e nas costas, foi, tal como os bombeiros, assistido», acrescentou.

César Fonseca explicou ainda que o combate ao fogo, que continua com «várias frentes activas», está a ser dificultado pelo vento, mas «neste momento nenhuma se dirige para qualquer povoação».

«Estamos a montar uma estratégia para a noite, com reposicionamento de viaturas, mas ainda temos muitas viaturas empenhadas nas diversas povoações por onde o incêndio passou», acrescentou.

«Estamos a falar de dois que entretanto já se juntaram hoje. Um começou na Gralheira e outro em Ponte Teixeira. Acabaram por se unir hoje», explicou.

Entretanto, o presidente da câmara de S. Pedro do Sul, António Carlos Figueiredo, estima que tenham ardido cerca de dois mil hectares no incêndio que desde sexta-feira consome mato e eucaliptal na Serra da Gralheira.

Segundo a ANPC, 479 incêndios deflagraram desde as 00:00 deste sábado e na sexta-feira registaram-se 433 fogos.

Dois mil fogos em seis dias

De acordo com dados da ANPC, nos últimos seis dias registaram-se mais de dois mil incêndios florestais em Portugal continental. Sexta-feira passada, foi o dia em que deflagrou o maior número de fogos.

No passado mês de Julho registaram-se, ao todo, 5 mil 308 ocorrências. Entre Janeiro e Julho arderam 19 mil 346 hectares e registaram-se 8 mil 753 ocorrências.
Redação / PP