O número de feridos no incêndio que lavra no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, aumentou para 10, nove bombeiros e um civil, disse à agência Lusa a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

“No que diz respeito a feridos, no teatro de operações da Sertã, temos o registo de 10 feridos, nove dos quais bombeiros e um civil”, explicou Miguel Oliveira, comandante de serviço na ANEPC, em Carnaxide, Oeiras, acrescentando que “está a ser avaliada e atualizada” a informação acerca do estado clínico destes feridos.

Além deste fogo, que se iniciou às 14:50 na localidade de Marmeleiro e que conta atualmente com 578 operacionais apoiados por 175 viaturas, há ainda outros dois incêndios de grandes dimensões: um que deflagrou às 18:22 no concelho de Miranda do Corvo, distrito de Coimbra, e outro, que começou pelas 13:30, em Ervões, no concelho de Valpaços, distrito de Vila Real.

“Ao nível das habitações neste momento não temos essa contabilização. Sabemos que no incêndio de Valpaços terão ardido umas habitações devolutas, mas essa contabilização não está totalmente apurada”, afirmou o comandante Miguel Oliveira.

O presidente da Câmara da Sertã, José Farinha Nunes, disse à Lusa que já arderam "pelo menos mil hectares" de floresta, consumidos pelo incêndio que deflagrou no concelho.

Quanto à situação no teatro de operações, José Farinha Nunes disse que o fogo acalmou.

A situação está agora [às 22:10] mais calma e parece que as coisas poderão ser controladas. Há máquinas de rasto no terreno a abrir aceiros. O receio está no dia de amanhã por causa dos ventos que estão previstos", sustentou.

O incêndio deflagrou pelas 14:50 na localidade de Marmeleiro.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco, neste incêndio ardeu uma casa devoluta e três pessoas com mobilidade reduzida foram retiradas da localidade de Cumeada, "por precaução".

Para já não está prevista a evacuação de localidades, sendo que os bombeiros têm feito um esforço adicional para proteger as habitações, as pessoas e bens", afirmou.

A fonte adiantou que a Estrada Nacional (EN) 2 continua cortada "por precaução" e para permitir o trabalho dos bombeiros no terreno.

Segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, pelas 01:15 deste sábado, estavam no terreno a combater as chamas 567 operacionais apoiados por 169 viaturas.

/ SL e MM - Atualizada às 00:09 de sábado