O Exército reforçou o número de militares destacados para dar apoio aos incêndios no país, com o envio de um pelotão para a Madeira e outro para Faro, disse este sábado o porta-voz do Exército.

O Tenente-coronel Hélder Perdigão afirmou à agência Lusa que foi enviado um pelotão de 30 militares para a Madeira e outro idêntico para o incêndio de Alcoutim, no distrito de Faro, «por solicitação da Autoridade Nacional da Protecção Civil».

Ao todo, estão destacados para os incêndios no país cerca de setecentos militares.

Cerca de 120 militares continuam e em acções de vigilância e rescaldo no incêndio em São Pedro do Sul e outros 60 militares, integrados em dois pelotões, no Tabuaço. 90 militares de três pelotões estão a dar apoio aos meios que estão no incêndio em São Romão, Guarda.

O Exército está a apoiar também acções de vigilância e rescaldo em Viana do Castelo, Arcos de Valdevez, Ponte de Lima, Ponta da Barca e Vale de Cambra (Aveiro), onde em cada um dos locais tem um pelotão de 30 militares.

O dispositivo do Exército destacado para os incêndios é também composto por três equipas de engenharia, duas das quais estão no incêndio em Terras do Bouro (Braga) e outra em São Romão (Guarda).

Por solicitação da Autoridade Nacional Florestal, o porta-voz do Exército disse ainda que existem duas centenas de militares em acções de vigilância, de combate de primeira intervenção e de rescaldo em matas nacionais.

O porta-voz do Exército falava à margem das comemorações do Dia da Arma, em Mafra.



O Chefe de Estado-Maior do Exército disse também que o Exército está disponível para aumentar os meios destacados para apoiar os bombeiros nos incêndios que estão a ser combatidos no país.

«O Exército tem 700 militares no terreno, mas pode aumentar essa participação se for necessário e útil», disse à agência Lusa o Chefe de Estado-Maior do Exército.

NOTÍCIA ACTUALIZADA ÀS 13h41
Redação / CP