O incêndio que deflagrou às 14:25 desta terça-feira no concelho da Covilhã, Castelo Branco, atravessou a “zona limite” com o município do Fundão, no mesmo distrito.

Em declarações à agência Lusa, o comandante distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco, Francisco Peraboa, disse que o combate às chamas “está a decorrer favoravelmente, mas [o fogo] passou a zona limite entre a Covilhã e o Fundão”.

O incêndio deflagrou na freguesia de Aldeia de São Francisco de Assis (concelho da Covilhã). A aldeia chegou a ter um perímetro de segurança traçado em torno das habitações.

Questionado sobre o quais os fatores que dificultam o combate ao fogo, o comandante explicou que “está mais demorado pela questão orográfica”, ou seja, são “zonas muito íngremes, com um declive muito acentuado”.

Francisco Peraboa acrescentou que não houve habitações ou povoações “em risco” e que o incêndio apenas afeta "áreas de mato e de pinhal”.

Às 20:15 havia “apenas uma frente ativa”, mas a “ceder aos meios” destacados no local para combater as chamas.

A informação disponível no site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) dá conta de que, às 00:14, estavam 339 elementos no terreno, apoiados por 98 viaturas.

O presidente da câmara da Covilhã, Vítor Manuel Pereira, adiantou à TVI24 que o flanco direito do incêndio "já está em fase de resolução"

Estamos convencidos que ao final da manhã (o incêndio) estará em fase de resolução”, admitiu o autarca.

Redação / Com Lusa - atualizada às 12:15