Cerca de 30 concelhos do interior Norte e Centro e da região ao Algarve apresentam esta sexta-feira risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo estão concelhos dos distritos de Bragança, Castelo Branco, Santarém e Faro.

Mais de 50 outros municípios dos distritos de Bragança, Vila Real, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Portalegre, Beja e Faro apresentam um risco muito elevado.

Com risco elevado de incêndio está toda a região do Alentejo e mais cerca de 40 outros municípios dos distritos de Vila Real, Porto, Viseu, Coimbra, Leiria, Santarém, Lisboa e Faro.

O restante território apresenta um risco moderado e reduzido, consoante a região.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O período crítico de incêndios dura até final de setembro e, até lá, é proibido fazer queimadas extensivas ou queima de amontoados sem autorização, usar fogareiros ou grelhadores em todo o espaço rural, e fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais.

É proibido ainda lançar balões de mecha acesa ou foguetes ou fazer trabalhos na floresta que possam originar faíscas.

Para hoje, o IPMA prevê em Portugal continental céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de muito nublado nas regiões Norte e Centro, em especial no litoral, até ao meio da manhã e a partir do final da tarde, podendo persistir no Minho e Douro Litoral ao longo do dia.

São esperados períodos de chuva fraca ou chuvisco no Minho e Douro Litoral a partir do final da tarde, enquanto o vento vai soprar fraco a moderado, mas por vezes forte nas terras altas, em especial das regiões Centro e Sul.

É ainda aguardada uma pequena descida de temperatura, em especial da máxima.

Agência Lusa / MJC