Dois pastores suspeitos de atearem fogos em florestas foram detidos pela Polícia Judiciária esta quinta-feira.

Um dos pastores, de 66 anos, foi detido em Vila Real por ser suspeito de um crime de incêndio florestal em Tronco, Chaves, anunciou a força policial.

A PJ disse, em comunicado, que o incêndio ocorreu no dia 16, na localidade de Tronco, e consumiu cerca de cinco hectares de mancha florestal, constituída maioritariamente por mato.

O foco de incêndio, segundo a Judiciária, "colocou em perigo uma mancha florestal, constituída por mato, área agrícola, bem como de habitações próximas, de valor consideravelmente elevado, que apenas não foram consumidas devido à rápida intervenção dos bombeiros e meios aéreos".

O detido vai ser presente a interrogatório judicial para aplicação de eventuais medidas de coação.

A Polícia Judiciária também anunciou esta quinta-feira ter detido mais um pastor, de 36 anos, suspeito de atear incêndios florestais para "limpar matos e arbustos em zona de pastagem", em Gosende, no concelho de Castro Daire.

Segundo a PJ, o homem está "fortemente indiciado pela prática de dois incêndios florestais", ocorridos nos dias 16 e 17 de agosto, havendo a suspeita de que usou um isqueiro para os atear.

"As ignições consumiram uma pequena área de povoamento misto e mato, só não assumindo proporções mais graves devido à pronta e eficiente intervenção dos bombeiros", refere aquela polícia, acrescentando que o pastor não tem antecedentes criminais.

A detenção, feita pela Diretoria do Norte da PJ, contou com a colaboração do Núcleo de Proteção Ambiental de Viseu da GNR.