A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou, esta sexta-feira, para o perigo de incêndio florestal, prevendo-se para o fim de semana uma subida da temperatura máxima do ar.

Segundo o ANEPC e de acordo com informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, para sábado vai registar-se uma subida da temperatura máxima, com humidade relativa do ar na região sul (inferior a 30%) e vento fraco a moderado (até 30 quilómetros por hora) do quadrante norte, soprando moderado a forte (30 a 40 quilómetros por hora), com rajadas até 60 quilómetros por hora, no litoral e nas terras altas.

Já para domingo está também prevista a subida de temperatura, a continuação de valores baixos da humidade relativa do ar e vento fraco a moderado (até 30 quilómetros por hora) do quadrante norte, soprando moderado a forte (30 a 40 quilómetros por hora) no litoral oeste, por vezes com rajadas até 60 quilómetros por hora, até ao início da manhã e durante a tarde.

Nas terras altas o vento soprará fraco a moderado (até 30 quilómetros por hora) do quadrante norte, soprando moderado a forte (30 a 40 quilómetros por hora) de nordeste até ao meio da manhã e para o final do dia.

Este cenário meteorológico irá traduzir-se num aumento do índice de risco de incêndio a partir de sábado. Considerando a previsão meteorológica, esperam-se condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais em especial na região sul e na região do vale do Tejo”, refere a ANEPC.

De acordo com a ANEPC, para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja igual ou superior ao nível muito elevado, o uso de fogareiros e grelhadores é proibido em todo o espaço rural, salvo se usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito.

É também proibido o lançamento de balões com mecha acesa e de foguetes, o uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da câmara municipal, é proibido fumigar ou desinfestar em apiários exceto se os fumigadores tiverem dispositivo de retenção de faúlhas”, frisa.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil lembra ainda que, devido à declaração da situação de alerta hoje emitida, é “proibido em todo o território continental a realização de queimadas extensivas e de queimas de sobrantes de exploração”.