A operação Censos 2021 começa já nesta segunda-feira, com a entrega das cartas que habilitam os cidadãos a responder pela Internet às perguntas do recenseamento, condicionado este ano pela pandemia de covid-19.

Se já nos Censos de 2011 cerca de 50% das respostas foram dadas pela Internet, o Instituto Nacional de Estatística (INE), que coordena todo o recenseamento, espera que este ano aumente o número de respostas enviadas eletronicamente.

A partir de segunda-feira, os agregados familiares começam a receber cartas com códigos e palavras-passe que servirão para aceder a censos2021.ine.pt, onde poderão dar as suas respostas a partir do dia censitário, marcado para 19 de abril.

É a essa data que todas as respostas se devem reportar, embora a população tenha até 3 de maio para enviar as suas respostas.

Embora as respostas pela Internet sejam o modo preferencial, com a aplicação e-Censos acessível por computador, tablet e telemóvel, o INE tem alternativas.

A população que não tenha maneira de aceder à Internet ou não possa ser contactada presencialmente poderá usar o número de apoio 210542021 para poder responder, poderá usar o e-balcão na sua junta de freguesia ou preencher os clássicos questionários em papel entregues pelos recenseadores, que vão seguir um “rigoroso protocolo de Saúde Pública”.

Este trabalho presencial, que se prevê que seja “residual”, será também distribuído entre os cerca de 11.000 recenseadores recrutados pelo INE entre fim de janeiro e abril, que entrarão em cena a partir de 31 de maio para recolher as respostas que ainda não tenham chegado por telefone ou pelos meios eletrónicos.

Na resposta às perguntas, será usado pela primeira vez um procedimento de pré-preenchimento de variáveis relativas ao alojamento e aos edifícios com os dados recolhidos em 2011, que podem ser confirmados ou alterados.

Nas pergunta sobre profissão, atividade económica ou curso superior vai haver uma nova função que dá sugestões a quem está a preencher o questionário.

As perguntas a responder no questionário têm este ano algumas diferenças, com variáveis que saem e outras que entram.

Nas perguntas sobre a situação individual passa a figurar uma sobre motivo da migração, caso se aplique, e saíram perguntas sobre onde se está a responder ao censo, o nível de ensino que se frequenta, o número de horas que se trabalha ou quantos trabalhadores tem a empresa.

No item da habitação, passa a perguntar-se há quanto tempo se mora no alojamento e se se beneficia de apoio ao arrendamento, saindo perguntas sobre o sistema de abastecimento de água, instalações sanitárias e de banho ou fonte de energia usada para aquecimento.

Saem ainda do questionário várias perguntas sobre o tipo de construção do edifício onde se mora.

Ao todo, estarão envolvidas na realização e tratamento dos dados do Censos 2021 cerca de 15.000 pessoas.

/ CM