O deputado do PS Jorge Almeida solicitou hoje ao Ministério da Saúde um inquérito «rigoroso» à assistência prestada a um doente de 49 anos do Peso da Régua, que acabou por falecer, noticia a agência Lusa.

O deputado eleito pelo Círculo Eleitoral de Vila Real pediu, através de um requerimento na Assembleia da República, esclarecimentos ao Ministério da Saúde relacionados com a assistência a doentes emergentes nos concelhos de Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião e Mesão Frio.

Na origem deste pedido, está a morte por doença súbita de um doente residente na freguesia de Loureiro, Régua, que «sugere um conjunto de disfuncionalidades na resposta dada àquele caso pelo sistema de assistência a doentes emergentes naquele concelho».

O homem de 49 anos, residente em Loureiro, morreu dentro da ambulância dos bombeiros enquanto esperava pela Viatura Médica de Emergência Rápida (VMER), acabando depois por ficar quatro horas morto dentro da ambulância, enquanto os familiares tratavam da logística relacionada com o óbito e a dispensa ou não da autópsia.

«A confirmar-se o desenvolvimento noticiado, nenhum tratamento qualificado terá sido aplicado ao doente desde o início dos sintomas até ao desenlace final. Desde o pedido de socorro até ao interface com a VMER, ter-se-ão passado comunicações e instruções do CODU desadequadas para a situação em causa e para as características do território», salientou.

Acrescentou que a situação relatada das alegadas quatro horas morto dentro da ambulância do INEM, «não deixa de constituir uma situação indigna para o falecido e seus familiares».

Três casos em apenas uma semana

A este caso juntam-se mais dois, ocorridos em apenas uma semana na Régua.

Hoje mesmo o Jornal de Notícias diz que uma mulher, de 38 anos e que sofria de uma doença grave, acabou por morrer, ao início da tarde de quinta-feira, já no Hospital de Vila Real, depois de socorrida pelos bombeiros locais.

Segundo o JN, a VMER ainda foi chamada, mas não estava disponível porque o médico de serviço se encontrava doente, uma situação confirmada pelo conselho de administração do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Já no dia 9, um homem, de 88 anos, faleceu em Canelas, depois da VMER se ter perdido e ficado atolada num caminho sem saída.

Urgências fecharam em Dezembro

O serviço de urgências do hospital da Régua fechou no final de Dezembro, tendo o ministério implementado a consulta aberta e uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV), que só funciona no período nocturno.

O responsável defende a avaliação dos três meses de funcionamento do novo modelo de atendimento de casos emergentes, urgentes e doenças agudas não programadas, constituído pelo sistema do INEM (SIV + VMER) e pela consulta aberta (8 às 24 horas).

O deputado quer ainda saber se o Ministério da Saúde vai «proceder a ajustamentos nos horários de funcionamento da SIV e da consulta aberta, de forma a reforçar a qualidade da resposta».
Redação / JCS