Portugal regista, nesta terça-feira, mais mortes e casos de covid-19, de acordo com o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Há mais 13 doentes internados, num total de 742. Destes, 161 estão em unidades de cuidados intensivos, menos dois que no último balanço.

Lisboa e Vale do Tejo registou 43% dos novos casos, com 1.141 infeções nas últimas 24 horas. Em termos de mortes foi também naquela região que a situação foi mais grave, com seis óbitos.

As nove mortes das últimas 24 horas registaram-se nas regiões de Lisboa (seis), Alentejo (duas) e Norte (uma).

Segundo os dados da DGS, até agora, morreram em Portugal 17.173 pessoas vítimas de covid-19: 9.020 homens e 8.153 mulheres.

De acordo com a autoridade de saúde, Portugal tem agora 45.199 casos ativos (-849), tendo recuperado da infeção nas últimas 24 horas mais 3.490 pessoas, o que aumenta para 850.034 o número de recuperados desde o início da pandemia.

O número de contactos em vigilância está nos 76.360, na sequência das 1.461 pessoas que, nas últimas 24 horas, passaram a integrar este grupo.

A região de Lisboa e Vale do Tejo contabiliza agora 356.234 casos de infeção, seguida de perto pelo Norte (354.877), refere a DGS.

No Centro, já foram notificados 124.951 casos, no Alentejo 31.878, no Algarve 27.764, na Madeira 10.104 e nos Açores 6.598.

Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais óbitos (7.314), seguindo-se o Norte (5.377), o Centro (3.032), o Alentejo (976), o Algarve (370), a Madeira (70) e os Açores (34).

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação disponibilizada no boletim da DGS.

Na segunda-feira, Portugal continental registou um aumento da taxa de incidência de infeções por 100 mil habitantes, que subiu para 325,2, enquanto o índice de transmissibilidade (Rt) do vírus baixou ligeiramente.

O território continental apresentava, na segunda-feira, uma taxa de incidência de 325,2 casos por 100 mil habitantes, quando, nos dados da DGS divulgados na sexta-feira, este indicador estava nos 280,5.

Nos concelhos de baixa densidade populacional, que representam mais de metade do território continental, a linha vermelha que obriga os municípios a recuar no plano de desconfinamento está fixada nos 480 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Os restantes concelhos ficam sob alerta quando ultrapassarem os 240 casos por 100 mil habitantes no mesmo período.

Redação