Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais sete mortos e 421 novos casos de infeção por Covid-19, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O número de novos casos não era tão alto desde o dia 8 de maio.

No total, o país conta agora com 1.492 mortos (um aumento de 0,5%) e ultrapassou a barreira dos 35 mil infetados, contabilizando agora 35.306 (+1,2%). Dos 421 novos casos, 386 (+2,9%) foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo.

O número de recuperados subiu de 21.156 para 21.339, ou seja, mais 183 casos do que na segunda-feira. São 394 as pessoas internadas, das quais 65 em Unidades de Cuidados Intensivos (mais 10 do que ontem).

Boletim da DGS - 9 de junho by TVI24 on Scribd

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 16.967, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 13.608, da região Centro, com 3.837, do Algarve (389) e do Alentejo (273).

Os Açores registam os mesmos 142 casos, bem como a Madeira com 90 casos confirmados.

A região Norte continua também a ser a que regista o maior número de mortos (809), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (408), do Centro (244), do Algarve e dos Açores (ambos com 15) e do Alentejo, que regista um óbito, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de segunda-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

De acordo com os dados do boletim da DGS, 755 vítimas mortais são mulheres e 737 são homens.

Das mortes registadas, 1.009 tinham mais de 80 anos, 284 tinham entre os 70 e os 79 anos, 131 tinham entre os 60 e 69 anos, 48 entre 50 e 59, 17 entre os 40 e os 49. Há duas mortes registadas entre os 20 e os 29 anos e uma na faixa etária entre os 30 e os 39 anos.

Os dados da DGS precisam que o concelho de Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (2.700), seguido por Vila Nova de Gaia (1.592), Sintra (1.701), Porto (1.414), Matosinhos (1.292), Loures (1.288) e Braga (1.256).

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 342.060 casos suspeitos, dos quais 1.618 aguardam resultado dos testes.

Há 305.136 casos em que o resultado dos testes foi negativo, refere a DGS, adiantando que o número de doentes recuperados subiu para 21.339 (mais 183).

A DGS regista também 30.176 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Do total de infetados, 20.045 são mulheres e 15.261 são homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (5.929), seguida da faixa dos 50 aos 59 anos (5.753) e das pessoas com idades entre os 30 e os 39 anos (5.459).

Há ainda 4.874 doentes entre os 20 e os 29 anos, 4.699 com mais de 80 anos, 3.771 entre os 60 e 69 anos, e 2.724 entre 70 e 79 anos.

A DGS regista igualmente 827 casos de crianças até aos nove anos e 1.234 jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

De acordo com a DGS, 39% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 29% febre, 21% dores musculares, 20% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 11% dificuldade respiratória.

A pandemia de covid-19 já provocou a morte a pelo menos 406.466 pessoas e infetou mais de 7,1 milhões em todo o mundo.

Mais de 3,1 milhões foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Cláudia Évora / com Lusa - atualizada às 13:46