Cerca de 4.600 pessoas vão participar na terceira fase do Inquérito Serológico Nacional (ISN) para determinar a imunidade da população portuguesa após a vacinação contra a contra a covid-19, anunciou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

Em comunicado, o INSA adiantou que o trabalho de campo desta terceira fase já está a decorrer, dando continuidade ao projeto iniciado em maio de 2020, ainda na fase inicial da pandemia da covid-19.

O ISN permite conhecer a distribuição dos anticorpos específicos contra o vírus SARS-CoV-2 na população residente em Portugal, por grupos etários e por regiões, informação que serve para monitorizar a “taxa de ataque desta infeção” e a imunidade da população após a implementação do plano de vacinação contra a covid-19, adiantou o instituto.

De acordo com o INSA, o trabalho de campo da terceira fase, que deverá decorrer até final de outubro, envolve cerca 350 pontos de colheita e prevê o recrutamento de cerca de 4.600 pessoas com idade superior a 12 meses que recorram a um hospital ou laboratório participante no estudo para realização de análises clínicas.

A um pequeno número de participantes será feito também o estudo serológico da gripe, com o objetivo de monitorizar a evolução da imunidade da população contra este vírus antes do início do próximo inverno.

Os primeiros resultados da terceira fase do ISN deverão ser conhecidos no início de dezembro, estima o INSA.

O INSA adiantou que a informação e as amostras recolhidas são codificadas no momento da recolha para que os dados partilhados e divulgados não permitam a identificação do participante.

A participação no inquérito, que resulta de uma parceria com a Associação Nacional de Laboratórios Clínicos, a Associação Portuguesa de Analistas Clínicos e 33 hospitais públicos de todas as regiões, “não tem qualquer custo para os participantes, que poderão ter acesso aos seus resultados individuais, caso assim o entendam”, refere o instituto.

Os resultados da segunda fase do ISN, divulgados no final de abril quando cerca de 22% da população tinha recebido a primeira dose, indicaram uma prevalência de anticorpos específicos contra o SARS-CoV-2 na população de 15,5 %, sendo 13,5% conferida por infeção.

As regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo, Centro e Alentejo foram aquelas onde se observou uma maior seroprevalência, que, em termos de idade, era mais elevada na população adulta em idade ativa e mais baixa no grupo entre os 70 e os 79 anos.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.008 pessoas e foram contabilizados 1.072.537 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Agência Lusa / CE