Os casos de intoxicação alimentar na Europa causados pela bactéria «campylobacter» (causa mais frequente de gastroenterites) aumentaram 14,2 por cento em 2007, enquanto as infecções com salmonelas diminuíram em 7,3 por cento no mesmo período, informa a Lusa.

Os dados são do relatório anual sobre as doenças de origem alimentar, publicado hoje pela Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) e pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC).

No documento, os especialistas referem que a maior parte dos casos de intoxicação alimentar detectados em humanos na Europa foram «importados» de países fora da União Europeia (UE).

A República Checa foi o estado-membro da UE que registou maiores índices por 100.000 habitantes de infecções com «campylobacter» (234,6 casos) e salmonelas (171,6 casos), enquanto a Dinamarca liderou as infecções por «listeria» (1,1) em 2007, uma doença que pode causar a morte.

A «campylobacter», a salmonela e a «listeria» continuam também a ser as principais causas das vulgarmente chamadas intoxicações alimentares em Portugal. O documente refere que em território nacional houve «504 casos de salmonelose» no ano passado, tendo sido «confirmadas 482 infecções». Em 2006 foram 387, em 2005 foram registados 468 casos, em 2004 um total de 691 e em 2003 foram registados 720, indica o estudo.