O Ministério Público está a investigar Diogo Figueiras, um youtuber conhecido como Windoh, pela venda de um curso relacionado com criptomoedas, no qual o jovem cobrava 400 euros. Uma investigação que surgiu na sequência de um inquérito aberto no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

As criptomoedas, como a bitcoin, não se veem, não são palpáveis e não dependem de bancos. É uma moeda completamente virtual e, por isso, todas as transações são feitas em computador, sem regras ou limites.

A TVI teve acesso à lista de 22 inscritos, dos quais 16 foram pagos e seis oferecidos. No total, Diogo encaixou 6.400 euros sem ter passado qualquer fatura pelo serviço prestado. 

Os visados acusam o youtuber de ter feito um mero documento Word com plágio de informações da Wikipedia, com erros ortográficos e palavras em português do Brasil. 

Windoh publicou um vídeo, a que a TVI teve acesso, no qual aliciava jovens para se inscreverem no curso, alegando que era o melhor curso de criptomoedas do mercado, mas mais tarde apagou-o. O discurso era convincente. 

De repente vocês metem lá dinheiro e ganham três vezes isso num dia".

 

Vão sair daqui uns completos experts, eu não tenho dúvidas nenhumas disso, vocês vão ter tudo no site, espero mesmo que abracem este projeto da mesma maneira que eu abracei".

 

Neste momento, na plataforma, nós temos dois cursos. Um direcionado para as criptomoedas, que é um curso extremamente completo, feito por especialistas e eu não tenho dúvidas nenhumas que é o melhor curso do mercado.... Nenhumas."

Para além do rendimento como youtuber, que pode atingir o meio milhão de euros por ano, Diogo tem ainda uma loja de roupa e uma outra onde vende artigos com um preço muito superior ao preço de venda ao público. 

Contactado pela TVI, Diogo Figueiras marcou uma entrevista para o final da tarde de quinta-feira, aconselhado pelo advogado, onde iriam ser abordados todos os factos que foram revelados nesta reportagem. No entanto, depois de várias tentativas de contacto ao longo do dia, e já em cima da hora marcada, o advogado do youtuber cancelou a entrevista sem qualquer motivo.

Polícia Judiciária investiga acesso de hacker a cursos do youtuber

Entretanto, Windoh fez queixa junto da Polícia Judiciária por ter sido alvo de um ataque informático. Em causa estarão crimes de acesso ilegítimo e difamação.

Diogo disse que os conteúdos dos cursos sobre criptomoedas que vendeu através de uma plataforma (Blacknetwork) foram tornados públicos após um hacker aceder a essa mesma plataforma e partilhar a informação. 

No mesmo instante, foi obrigado a baixar o valor que estava a cobrar e, depois de uma onda de críticas, começou a devolver o dinheiro a quem já estava inscrito, uma vez que os conteúdos passaram a estar acessíveis a todos. 

O caso está nas mãos da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica da Polícia Judiciária.

Luís Varela de Almeida