A GNR anunciou, nesta quinta-feira, ter apreendido 6.695 peças automóveis e 93 veículos semidesmantelados avaliados em quase 5,5 milhões de euros, em Beja e Setúbal, numa operação realizada no âmbito de uma investigação que durava há dois anos.

Segundo a GNR, na operação, além das peças e dos veículos, foram apreendidos dois computadores, dois telemóveis e um cofre e constituídos como arguidos uma empresa e dois homens, que ficaram sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência.

As 6.695 peças, entre as quais constam motores completos, carroçarias, transmissões, centralinas, embraiagens, amortecedores e colunas de direção, e os 93 veículos semidesmantelados apreendidos têm "um preço de venda ao público apurado em 5.484.544 euros", precisa a GNR, em comunicado.

A operação, dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal e direcionada a operadores económicos em Beja e Setúbal, no âmbito do crime de fraude fiscal qualificada, foi realizada na quarta-feira e hoja pela Unidade de Ação Fiscal (UAF) com o apoio do Comando Territorial de Beja da GNR.

Segundo a força de segurança, a operação foi "o corolário de dois anos de investigação a operadores que se dedicavam ao desmantelamento de veículos e à venda das respetivas peças a consumidores finais, oficinas de reparações e stands de automóveis das regiões do Alentejo, Setúbal e Algarve".

A investigação incidiu num "canal dissimulado" de abastecimento de componentes automóveis, que realizava um "conjunto de transações" e obtinha rendimentos "ocultados da Administração Tributária".

Redação / CM