Discorda da ideia de que direção de atores é contraproducente?



Em que é que este método de trabalho com os atores a enriquece?



Sentiu-se a representar em «É o Amor»?