Cerca de 82 mil portugueses foram operados às cataratas no ano passado, o que representa mais 10 por cento do que em 2006 e mais 20 por cento do que em 2005, segundo dados apresentados esta quinta-feira por especialistas, noticia a Lusa.

Numa altura em que a imprensa tem divulgado casos de portugueses que se deslocam ao estrangeiro, nomeadamente a Cuba, para cirurgias às cataratas, a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) promoveu uma conferência de imprensa, em Lisboa, onde sublinhou que tem sido feito um «esforço» neste domínio em Portugal.

Segundo dados oficiais, foram operados em Portugal em 2007 cerca de 82 mil doentes com cataratas, um acréscimo relativamente aos anos anteriores. «Sabendo que num país como a Bélgica, com o mesmo número de habitantes e com o mesmo número provável de cataratas, foram operadas 74 mil pessoas em 2007, fica-se com uma ideia do esforço efectuado no nosso país», exemplificou Jorge Breda, presidente da SPO.

O especialista acentuou, também, o facto de 98 por cento das cirurgias serem efectuadas com a técnica «mais moderna» que existe. Para «desfazer equívocos», o mesmo responsável lembrou que ter cataratas não é sinónimo de estar cego e pode permitir durante muito tempo ter uma «razoável acuidade visual».

«Qualquer doente que seja invisual por causa de uma catarata será operado em menos de uma semana nos hospitais portugueses», garantiu Jorge Breda.

Traçando um panorama mais geral, a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia revelou que o número de oftalmologistas em Portugal desceu 10 por cento em seis anos, enquanto as consultas tiveram um aumento de 25 por cento. No total, há em Portugal cerca de 112 mil utentes a esperar para uma primeira consulta oftalmológica e cerca de 29 mil utentes em espera por uma cirurgia.
Redação / CLC