O Procurador-Geral da República (PGR), Pinto Monteiro, anunciou esta quarta-feira que o processo sobre os alegados voos da CIA em Portugal estará concluído em Fevereiro, informa a Lusa.

Pinto Monteiro disse ter recebido essa informação da directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Cândida Almeida, que lhe transmitiu que «em princípio o processo estaria pronto em Fevereiro».

Segundo explicou, o processo já foi dado praticamente como concluído, mas chegaram «novos elementos que obrigaram a uma investigação quase voo por voo».

«Investigar uma centena ou mais de voos é complicado, mas foi-me dito que em princípio, salvo acontecimento de última hora, o processo estará pronto em Fevereiro», afirmou.

O Procurador-Geral falava à margem de um encontro com magistrados do Ministério Público transmontanos, em Mirandela, o primeiro de uma série de visitas ao Norte e Centro do país, a zonas mais isoladas.

O caso dos «voos da CIA» teve início em Novembro de 2005, quando o jornal norte-americano «Washington Post» revelou a existência de prisões secretas da CIA em vários pontos do Mundo para suspeitos de terrorismo, na sequência dos atentados de 11 de Setembro nos Estados Unidos.

A eventual passagem por países europeus, incluindo Portugal, de voos da CIA com prisioneiros para Guantánamo foi alvo de inquérito no Parlamento Europeu, com a organização de direitos humanos britânica REPRIEVE a garantir que largas dezenas de voos com prisioneiros passaram por território português, entre 2002 e 2006.

Uma participação da eurodeputada Ana Gomes à Procuradoria-Geral da República e outra do jornalista Rui Costa Pinto, que escreveu sobre o caso, levaram o Ministério Público português a decidir, em Fevereiro de 2007, a abertura de um inquérito-crime, a cargo do Departamento Central de Investigação e Acção Penal.
Redação / CLC