A secção de perdidos e achados da PSP recebeu um smartphone de última geração, e o agente Manuel Ribeiro fez questão de encontrar o proprietário. A procura que se seguiu não faria imaginar que o dono do equipamento estava do outro lado do mundo.

O primeiro passo foi descobrir o e-mail que estava associado ao registo daquele aparelho - um iPhone X - na Apple. Ao conseguir essa informação, a PSP ligou para a multinacional para que, através do endereço de correio eletrónico, fosse possível saber o nome do proprietário.

Tendo essas duas informações, o segundo passo foi entrar em contacto com Roy, enviando-lhe um e-mail. O agente perguntou-lhe se tinha perdido um iPhone X com determinadas características e, ao receber uma resposta afirmativa, quis saber se o homem ainda queria o telemóvel de volta e se poderia enviar um comprovativo de compra.

Depois de o australiano ter enviado o comprovativo solicitado, seguiu-se o terceiro e último passo: enviar o smartphone para a Austrália.

Segundo o subintendente Paulo Flor, que falou com a TVI ao telefone, este processo nem sempre é simples e nem sempre tem um final feliz. Muitas vezes os utilizadores não têm os dados de conta atualizados, e isso dificulta imenso todo o procedimento. 

Há muitas pessoas que não acreditam que valha a pena comunicar à PSP que perderam, ou que lhes foi furtado, o telemóvel"

Este exemplo prova o contrário. O aparelho chegou às mãos dos donos, mesmo a mais de 16.000 quilómetros de distância. 

Roy e Elly fizeram questão de agradecer à Polícia de Segurança Pública portuguesa. Dizem que um "obrigado" não chega para reconhecer toda a ajuda e disponibilidade do agente Manuel Ribeiro. Deixam ainda clara a intenção de regressar a Lisboa no próximo ano, e não colocam de parte a hipótese de um reencontro.