O furacão Lorenzo encontrava-se esta manhã a 2.200 quilómetros (km) a sudoeste dos Açores, e deverá atingir "todo o arquipélago" na quarta-feira, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Mantendo-se as previsões da trajetória, o centro do furacão deverá passar muito próximo do grupo Ocidental [ilhas das Flores e Corvo], afetando assim todo o arquipélago na próxima quarta-feira", indicou nota enviada hoje à imprensa pelo IPMA e assinada pela meteorologista Vanda Costa.

Para o grupo Ocidental, é esperado "vento sueste rodando para noroeste com rajadas na ordem dos 180 km/h (com uma probabilidade de 20% de a rajada máxima ser superior a 200 km/h), chuva forte e ondas de sudoeste com altura significativa entre 10 a 12 metros".

Já para o grupo Central dos Açores, formado pelas ilhas do Faial, Pico, São Jorge, Terceira e Graciosa, preveem-se "rajadas até 180 km/h (com uma probabilidade de 20% de a rajada máxima ser superior a 200 km/h, especialmente nas ilhas Faial, Pico e Graciosa), chuva forte e ondas de sudoeste com altura significativa entre 10 a 14 metros, com altura máxima de onda superior a 20 metros".

São Miguel e Santa Maria, as ilhas que formam o grupo Oriental do arquipélago, devem ter vento com rajadas até 100 km/h e ondas de altura significativa de sete a nove metros.

Contudo, e devido à distância a que o furacão se encontra, o IPMA assinala que "existe ainda incerteza relativamente à trajetória exata e respetiva intensidade com que poderá atingir o arquipélago", até porque "está prevista uma diminuição da intensidade do furacão nos próximos dias".

O furacão é de categoria 4 na escala de Saffir-Simpson, que oscila entre 1 e 5 e classifica a intensidade dos fenómenos desta natureza.

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, esteve no sábado reunido com diversos membros do executivo para fazer um ponto de situação das medidas adotadas face à possibilidade de o furacão Lorenzo atingir os Açores esta semana.

Centro norte-americano de furacões faz alerta

De acordo com o Centro Nacional de Furações (NHC, sigla em inglês de National Hurricane Centre, nos Estados Unidos da América) Lorenzo, que na última noite alcançou a categoria mais alta (05) na escala Saffir-Simpson, avança a 17 quilómetros por hora, sendo agora equivalente a um ciclone de categoria 4, sem representar perigo.

Contudo, o centro meteorológico de Miami alertou para que as autoridades do arquipélago dos Açores devem monitorizar a evolução do ciclone, localizado a cerca de 2.190 quilómetros a sudoeste das ilhas.

Os meteorologistas esperam que o ciclone, o quinto a atingir o Atlântico, faça uma curva norte-nordeste durante o dia de hoje, seguindo a direção nordeste entre terça e quarta-feira.

Lorenzo deve passar a oeste dos Açores nas noites de terça e quarta-feira", alertou o NHC no seu boletim da manhã, adiantando que, embora se preveja um enfraquecimento gradual, Lorenzo “ainda será um ciclone poderoso quando se aproximar dos Açores”.

Os ventos com força de furacão vão chegar aos 85 quilómetros no norte da bacia do Atlântico.

Nesta época dos furacões no Atlântico, estão previstas entre 10 a 17 tempestades tropicais, com ventos acima de 63 quilómetros por hora, e cinco a nove furacões, com ventos de 120 quilómetros por hora, de acordo com a Administração Nacional dos Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos.

/ BC