"Seis meses de prisão sem acusação, sem factos, sem provas. Um caso que foi anunciado como sendo sólido, cheio de provas, uma solidez a toda a prova e estamos assim. O máximo que se conseguiu foi prender pessoas, não há mais nada", disse João Araújo.


“enoja” e “envergonha”.


"Enquanto não for notificado, não sei de nada. (...) Eu não sou advogado do engenheiro José Sócrates, sou membro da Ordem dos Advogados e como tal faço parte desta Justiça. Esta Justiça que me envergonha. (...) Transformar este doloroso processo (...) num espetáculo pífio, chulo, com decisões desta natureza, desta gravidade, [a serem] comunicadas através de um jornal é algo que me envergonha como membro da Ordem dos Advogados".




Veja as declarações de João Araújo na íntegra.