O juiz do tribunal de Lisboa responsável pelo coletivo que condenou João Rendeiro a 5 anos e 8 meses considera que a sentença está transitada em julgado - e mantém a ordem para prender Rendeiro, considerando válidos os mandados de captura internacional e europeu, num despacho a que a TVI teve acesso.

Pôs, assim, o juiz Nuno Dias Costa termo às dúvidas do próprio Ministério Público, que não sabia se haveria para Rendeiro o mesmo entendimento que o Supremo teve em relação a Paulo Guichard, antigo braço direito do presidente do BPP, de que ainda tem um recurso pendente no Tribunal Constitucional.

No caso de Rendeiro, entende o juiz que a situação não se aplica. Com isto, o ex-banqueiro continua formalmente a ser um foragido à justiça.

Henrique Machado