Já foi revelada ao Ministério Público a identidade do juiz que fora denunciado na Assembleia da República por, alegadamente, receber serviços sexuais numa casa de prostituição de Lisboa enquanto via gravações judiciais de menores a descreverem, em processos judiciais, abusos sexuais de que foram vítimas.

A TVI sabe que se trata do juiz Joaquim Manuel Silva, colocado no Juízo de Família e Menores do Tribunal de Mafra. É um magistrado que se notabilizou com posições públicas sobre a defesa dos superiores interesses das crianças em casos de regulação do poder parental, nomeadamente em debates televisivos.

Ana Loureiro, denunciante e proprietária da casa de prostituição, bate-se pela legalização da atividade e foi ouvida no parlamento nesse âmbito. Acabou por fazer revelações chocantes sobre um juiz, segundo ela para combater a hipocrisia face às diferenças entre os atos que alegadamente pratica quando recorre a serviços sexuais e as posições públicas que toma em defesa dos menores.

A Assembleia da República entendeu que em causa pode estar a prática de crimes e comunicou o caso ao Ministério Público.

Ana Loureiro prestou esta quinta-feira declarações no Tribunal da Relação de Lisboa, onde foi chamada, e denunciou o juiz Joaquim Manuel Silva.  

À saída, disse estar tranquila por ter colaborado com a justiça. Confrontado pela TVI, o juiz não quis fazer comentários.

Henrique Machado