A Polícia Judiciária e o Ministério Público investigam Joe Berardo e Carlos Santos Ferreira, antigo presidente da Caixa Geral de Depósitos, também por corrupção, sabe a TVI.

Foi este um dos motivos pelos quais Santos Ferreira foi constituído arguido e alvo de buscas, além da administração danosa - face às suspeitas de contrapartidas dadas pelo empresário madeirense ao banqueiro quando este aprovou que lhe fossem concedidos, em 2006, empréstimos no valor total de 350 milhões de euros para comprar ações do BCP.

Com a posição acionista que esse empréstimo da Caixa permitiu a Berardo assumir no BCP, acabou por conseguir ter um papel de decisão sobre a administração a escolher para aquele banco privado, onde Santos Ferreira entrou, em 2008, para presidente. A investigação suspeita que essa tenha sido uma contrapartida negociada, na concessão de um empréstimo que Berardo acabou por nunca pagar à Caixa. Até hoje. 

As buscas à casa e ao escritório de Santos Ferreira, sabe a TVI, visaram também procurar provas documentais de outras contrapartidas eventualmente dadas por Berardo a Santos Ferreira ao longo dos anos, nomeadamente financeiras. Outros ex-gestores da Caixa Geral de Depósitos deverão ser constituídos arguidos nos próximos dias, nesta investigação.

As notícias da detenção de Joe Berardo e da constituição de Santos Ferreira como arguido foram ambas avançadas pela TVI.

Existem ainda outros nove arguidos no processo, incluindo o filho e o advogado do empresário madeirense, este último também detido.

Joe Berardo foi detido esta terça-feira na sequência de um processo que investiga um esquema de fraude fiscal, burla qualificada e branqueamento de capitais. No mesmo dia foi conhecido que Carlos Santos Ferreira era outro dos arguidos do processo.

Mais tarde foi conhecido que Joe Berardo foi ainda indiciado por falsidade informática, falsificação de documentos, abuso de confiança qualificado e descaminho da ordem pública, num total de sete crimes.

O caso foi tornado público depois de uma operação em que foram feitas cerca de meia centena de buscas, 20 domiciliárias, 25 não domiciliárias, três a estabelecimentos bancários e uma a escritório de advogado, tendo ainda sido emitidos dois mandados de detenção, visando o empresário e o seu advogado de negócios e de longa data André Luiz Gomes.

Henrique Machado