O Ministério Público está a investigar Jorge Bacelar Gouveia por suspeitas de corrupção na atribuição de doutoramentos a alunos oriundos de Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). 

Ao que a TVI apurou, o Ministério Público suspeita mesmo de que o professor universitário na Universidade Nova de Lisboa, que é candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça, fosse corrompido com diamantes para facilitar a obtenção dos graus académicos. 

A notícia das suspeitas que recaem sobre Bacelar Gouveia foi avançada pela Sábado e confirmada pela TVI. À revista, o jurista garante não ter sido ouvido pelo Ministério Público a propósito desta matéria.

O inquérito terá sido aberto quando a polícia intercetou conversas de Bacelar Gouveia com o antigo deputado do PSD Sérgio Azevedo, seu aluno na Universidade Nova, no âmbito do processo Tutti Frutti. 

O processo Tutti Frutti investigava suspeitas de uma alegada teia de crimes de corrupção, tráfico de influência, participação económica em negócio e eventual financiamento partidário ilícito e envolve personalidades do PSD e PS.

Henrique Machado