O Sindicato dos Jornalistas (SJ) recebeu várias queixas de jornalistas de A Bola por não lhes ter sido pago o subsídio de férias, sem justificação, e pondera solicitar a intervenção da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).

O Sindicato dos Jornalistas recebeu queixas de vários jornalistas do jornal “A Bola” por não lhes ter sido pago o subsídio de férias sem que lhes tenha sido dada justificação aceitável para o atraso na liquidação desta verba”, indicou, em comunicado, a estrutura sindical.

No documento, o SJ vincou que a situação “é ainda mais grave” para os que estão integrados no ‘lay-off’ (redução do horário ou suspensão de contratos) que teve início em agosto, deixando alguns trabalhadores “com quebra de rendimento há mais de seis meses, já que a maioria foi igualmente integrada no ‘lay-off’ simplificado que o Governo criou” para fazer face à pandemia de covid-19.

Assim, o sindicato lembrou à sociedade Vicra Desportiva e Vicra Comunicações (donas do jornal A Bola, A Bola TV e da Autofoco) que “devem ter em consideração” que o atraso no pagamento, “além de ser uma dupla penalização para os trabalhadores em ‘lay-off’, motiva situações verdadeiramente aflitivas para alguns jornalistas”.

Por outro lado, esta situação leva a desigualdades entre os trabalhadores, uma vez que alguns receberam o subsídio antes de março e outros negociaram o pagamento do mesmo em duodécimos, acrescentou.

O sindicato garantiu ainda que, caso a empresa “não cumpra rapidamente o que está vertido na legislação laboral”, fará uma exposição ao Ministério do Trabalho e solicitará a intervenção da ACT, “já que o não pagamento das férias constitui uma contraordenação laboral".

/ RL