Diz a sabedoria popular que "não há fumo sem fogo". Hoje em dia pode fumar-se tabaco sem combustão. É realmente menos nocivo? Foi este o tema de debate no programa "Deus e o Diabo" desta sexta-feira, que juntou, na mesma mesa, um pneumologista e o manager corporativo da Tabaqueira.

Foi anunciado como um mal menor para fumadores, mas agora 12 sociedades científicas e organizações de saúde portuguesas uniram-se numa posição conjunta contra estes novos produtos. No programa de José Eduardo Moniz, o debate foi aceso (veja o vídeo acima), com o médico José Pedro Boleo-Tomé a considerar que "a indústria tem alegado que existe redução de risco, cria ideia de inocuidade. O que é verdade é que há muito poucos estudos e um claro conflito de interesses". Já Mário Moniz Barreto, da Tabaqueira, contesta.

A real notícia desta semana é como é que é possível que em Portugal as sociedades científicas e os médicos possam dizer que não têm conhecimento dos mais de 20 estudos independentes que foram feitos. O que já podemos afirmar é que tem redução dos constituintes nocivos e potencialmente nocivos na ordem dos 95%".

O pneumologista respondeu assim:

Se estão preocupados com os fumadores, automaticamente suspenderia o seu produto mais tóxico [o cigarro]".

Numa semana em que subiu de tom (e de número) a polémica das ligações familiares no Governo - com duas demissões - José Eduardo Moniz enumerou as desculpas de António Costa e referiu-se às declarações do ex-Presidente Cavaco Silva com o célebre "por qué no te callas" de Juan Carlos de Espanha.

Os deputados, que vão afinal manter conjunto de privilégios há muito contestado, e o descongelamento das carreiras especiais da função pública, em ano de eleições, são outros temas analisados, bem como a promessa que ficará por cumprir da parte do Governo na área da saúde: lembra-se do slogan "Médico de família para todos"?

Por outro lado, houve uma corrida à entrega declaração de IRS na primeira semana do prazo, que este ano é mais alargado (vai até junho). José Eduardo Moniz fez algumas chamadas de atenção -"Reembolso rápido do IRS é um bónus como se tem apregoado?" - e recorda o que foi dito por Mário Centeno, o "inventor financeiro a quem só falta registar a patente".