A violência nas escolas, os cortes na despesa e as novas medidas do Governo para habitação foram os temas em análise em "Deus e o Diabo", esta sexta-feira, no Jornal das 8. 

Depois de um caso de agressões a um aluno numa escola de Cascais, sabe-se que só em 2017 foram registados 422 casos de violência em escolas portuguesas. Este valor faz com que se registem dois por cada dia de aulas. A UNICEF assegura que metade dos estudantes, em todo o mundo, sofrem de bullying. 

Um relatório da União Europeia revelou que o país tem que cortar mais de 230 milhões de euros na despesa da saúde e educação. Dados que, segundo José Eduardo Moniz, são enganadores quando Mário Centeno garante que "a Europa já passou ao lado da austeridade".

Menezes Leitão, da Associação Lisbonense de Proprietários, e Romão Lavadinho, da Associação de Inquilinos, debateram o "Arrendamento Vitalício", um novo programa de Governo, que prevê que os inquilinos possam morar na casa arrendada até à morte caso entreguem, no primeiro arrendamento, 20% do imóvel. Os membros das duas associações criticaram esta medida. 

Menezes Leitão diz que os proprietários ficam "como banqueiros dos inquilinos", uma ideia defendida também por Romão Lavadinho que diz que em caso de rescisão de contrato "não há garantias da devolução do valor". Para os dois representantes é uma medida que mascara "os verdadeiros problemas na habitação"

José Eduardo Moniz abordou ainda o facto de várias mulheres decidirem ser mães aos 40. Ana Brito e Cunha e Maria Adelaide debateram esta decisão que "hoje é possível graças a avanços da ciência"