O braço de ferro do Governo com os diversos sindicatos que ameaçaram o Executivo com greves foi, esta sexta-feira, um dos temas em destaque do programa "Deus e o Diabo" do Jornal das 8 da TVI, com José Eduardo Moniz.

O estado da saúde em Portugal voltou a ser um dos assuntos abordados, principalmente as sucessivas greves dos enfermeiros e os cortes na saúde e nas farmácias. Paulo Duarte, presidente da ANF, esteve presente em estúdio para comentar o facto de os portugueses terem deixado de comprar 64 milhões de medicamentos e das as farmácias do interior "estarem em sofrimento".

Também a presidente da Associação dos Enfermeiros participou no debate e considerou que "o primeiro-ministro fez acusações muito graves aos enfermeiros" ao dizer que a paralisação é “selvagem” e absolutamente ilegal e ao admitir que a requisição civil é uma das hipóteses em cima da mesa.

Outro tema em destaque foi o "negócio da China" da CGTP com a Câmara de Lisboa: a CGTP conseguiu concentrar num edifício no centro de Lisboa todos os sindicatos dos transportes. Edifício cedido pela Câmara Municipal de Lisboa, sem a CGTP ter de pagar renda durante de 25 anos. A "benesse" foi dada por António Costa, em 2014. 

Questionada sobre o assunto, a CGTP diz que a renda de 1470 euros mensais, mas "tendo em conta o estado de degradação do edifício", foi concedido um período de isenção da renda no valor das obras de recuperação que rondaram os 400 mil euros. "Quase uma dádiva", considera José Eduardo Moniz.

"Deus e o Diabo" terminou com um importante alerta: em apenas 32 dias, oito mulheres foram assassinadas em contexto de violência doméstica. "Não só é preocupante como nos deve envergonhar a todos. É uma tragédia".