José Sócrates foi, esta quarta-feira, entrevistado no seguimento da decisão instrutória do processo da Operação Marquês, por José Alberto Carvalho na TVI.

O ex-primeiro-ministro classificou como “uma canalhice” as declarações de Fernando Medina, na TVI24, e aproveitou para tecer duras críticas à direção do PS.

Após ouvir as justificações do ex-primeiro-ministro, Francisco Mendes da Silva conclui que “o acusador mais cruel e eficaz de Sócrates é o próprio Sócrates”.

De cada vez que fala, há justificações mais absurdas, surreais e contraditórias", salienta Francisco Mendes da Silva.

 

Luís Rosa, jornalista do Observador, reitera que o Partido Socialista tem de fazer uma autocrítica ao modo como lidou com as acusações dirigidas a José Sócrates.

O PS demorou quatro anos a reagir à prisão de Sócrates”, lembra Luís Rosas.

 

Joana Amaral Dias acredita que não é só o Partido Socialista que deve refletir com a Operação Marquês, mas sim toda a sociedade portuguesa, que diz precisar de uma “reforma estrutural” no que à corrupção diz respeito.

Portugal vive destas lengalengas e ladainhas permanentes e repetidas”, diz Joana Amaral Dias.

 

Maria João Marques considera que José Sócrates e a Operação Marquês ainda representam um incómodo muito grande para o Partido Socialista e para parte da esquerda.

O PS e parte da esquerda têm um grande incómodo em lidar com este caso Sócrates", refere Maria João Marques.

 

Nuno Mandeiro