Uma juíza de instrução criminal de Aveiro decidiu levar a julgamento um ex-juiz por alegadamente conduzir alcoolizado e fugir do local onde teve um acidente de viação, sem prestar auxílio às vítimas, disse hoje à Lusa fonte judicial.

O antigo magistrado está pronunciado pela prática de três dos quatro crimes que constavam da acusação do Ministério Público (MP): condução perigosa de veículo rodoviário, desobediência e difamação agravada com publicidade.

A juíza deixou cair apenas o crime de injúria agravada de que o arguido estava acusado, por alegadamente ter difamado um militar da GNR, numa entrevista que deu a um jornal nacional.

Os factos ocorreram no dia 11 de julho de 2015, cerca das 01:00, quando o arguido seguia ao volante de um carro e invadiu a faixa de rodagem contrária, embatendo contra outra viatura, na localidade de Caldas de São Jorge, em Santa Maria da Feira.

Apesar do embate, e do veículo se encontrar danificado, com o rodado frontal esquerdo partido, o MP diz que o arguido “não parou nem quis saber se os ocupantes do outro veículo precisavam de auxílio”, prosseguindo a marcha, em direção à freguesia de Lobão, onde veio a ser intercetado por uma patrulha da GNR.

Quando os militares questionaram o arguido sobre a sua intervenção no acidente, este entrou na sua viatura e abandonou o local, tendo sido perseguido pela GNR durante quase quatro quilómetros.

Durante este trajeto, o arguido manteve uma condução ziguezagueada, invadindo sucessivas vezes a faixa de rodagem contrária, circulando na via reservada aos condutores que seguiam em sentido contrário, colocando-os em perigo”, lê-se na acusação.

Após cessar a marcha, o arguido terá saído do veículo, cambaleando e caindo no chão, tendo-se levantado com a ajuda dos militares, refere o MP, adiantando que o ex-juiz se recusou a fazer o teste de pesquisa de álcool no sangue.

O antigo magistrado estava colocado em Santa Maria da Feira até ter sido aposentado compulsivamente, em outubro de 2015.

Já antes deste caso, o ex-juiz foi condenado ao pagamento de uma multa de quatro mil euros por agredir um casal, após um acidente rodoviário que ocorreu em 2010, em Gião, Santa Maria da Feira, envolvendo a sua viatura e aquela em que seguiam um operário fabril e a namorada.