Um administrador vai ser julgado em Matosinhos por alegado homicídio negligente porque um rodado do camião da empresa de granitos que dirige se desprendeu em andamento, matando uma mulher que regressava a pé de um velório.

O julgamento já está agendado para 10 de setembro, no Juízo Local Criminal de Matosinhos, e a decisão de levar o gestor à barra judicial foi tomada pelo Tribunal de Instrução Criminal de Matosinhos e confirmada pelo Tribunal da Relação do Porto, em acórdão consultado hoje pela agência Lusa.

A decisão contraria o Ministério Público, que tinha optado pela não incriminação do empresário.

No seu acórdão, a Relação do Porto cita um perito, segundo o qual o camião que perdeu a roda - com 25 anos e 185 mil quilómetros - tinha a inspeção periódica em dia, mas encontrava-se em mau estado.

A viatura em apreço estava mal mantida, com peças danificadas que não estariam lá nessas condições se houvesse manutenção. Uma viatura com a idade em causa requer maiores cuidados, estando em causa peças de maior desgaste, com ajustes rigorosos a serem feitos com ferramentas de precisão”, considerou o perito.

A defesa do gestor defendia que o homem não devia ser levado a julgamento.

Sempre, com o devido respeito que é muito, não pode o recorrente concordar com a decisão proferida pelo senhor juiz de instrução, considerando mesmo tratar-se de uma decisão desadequada, desproporcionada, não fundamentada e, consequentemente, injusta”, afirmava o advogado do administrador no seu recurso para a Relação do Porto.

Os factos do processo remontam a 27 de janeiro de 2015, às 17:55, numa rua de Perafita, município de Matosinhos, quando o rodado da parte lateral esquerda traseira do camião se soltou do seu eixo, acabando por embater na mulher, que circulava a pé, no passeio.

Com a violência do embate”, a mulher – uma motorista da empresa de transportes públicos Resende, de 49 anos - “foi projetada para a frente, caindo no solo e embatendo com a cabeça no passeio, acabando por falecer no local devido às lesões traumáticas meningoencefálicas, vertebromedulares, torácicas, abdominais e pélvicas”.

/ BC