A Polícia Judiciária está a investigar outros casos de suborno e tráfico de influências que envolvem mais figuras do panorama político e empresarial português.

À margem do tronco principal do processo «Face Oculta», foram já extraídas cerca de dez novas certidões para investigações autónomas.



Os factos que se conhecem sobre o processo «Face Oculta» podem ser apenas a ponta de um enorme Iceberg.

Na mira da PJ e do Ministério Público estão outros políticos, funcionários públicos e homens de negócios.

Ao que a TVI conseguiu apurar, estão abertos cerca de dez novos inquéritos autónomos porque o MP entende que a criação de um mega-processo iria complicar a produção de prova.

Partindo do material já recolhido, nomeadamente as escutas telefónicas realizadas a Manuel Godinho e Armando Vara, tudo indica que existem outros casos onde pode ter havido tráfico de influências.

O mandato judicial desta primeira fase, fala numa «rede tentacular» que garantiria subornos e acesso a informação e negócios de sucesso com empresas participadas pelo Estado, que teria como pilar Manuel Godinho, empresário do sector de tratamento de resíduos que está em prisão preventiva.

Os 14 arguidos vão começar a ser ouvidos esta semana no Tribunal de Aveiro, mas a audição de Armando Vara só deve acontecer no próximo dia 9.
Redação / CR