O secretário de Estado das Finanças e Tesouro foi, esta terça-feira, a tribunal testemunhar sobre a importância dos terrenos das centrais termoeléctricas na gestão da REN (Redes Energéticas Nacionais) a pedido do arguido do processo Face Oculta José Penedos.

Carlos Costa Pina não quis prestar declarações no final do curto depoimento que prestou no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, onde decorre o debate instrutório do caso Face Oculta.

Contudo, segundo Rui Patrício, advogado de José Penedos, «o secretário de Estado confirmou que a matéria dos terrenos era importante para a gestão estratégica da REN e portanto interessava ao [anterior] presidente [da REN, José Penedos]».

O antigo presidente da REN foi acusado de dois crimes de corrupção e dois de participação económica em negócio no âmbito do processo Face Oculta, por casos que envolvem também o seu filho, Paulo Penedos, e negócios com o empresário Manuel José Godinho, o único dos arguidos que está em prisão preventiva.

A audição dos arguidos que pretenderem depor nesta fase processual está marcada para os próximos dias 07 e 08 de Fevereiro. Entre aqueles que irão falar estão José Penedos e Armando Vara, ex-ministro socialista e que se demitiu do Millenium/BCP, onde foi administrador, depois de ter sido envolvido no processo.
Redação / MM