O homem de 38 anos suspeito de ter atropelado a companheira e sequestrado a filha menor desta, no Mucifal, Sintra, ficou em prisão preventiva por decisão judicial, anunciou, esta segunda-feira, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

A Procuradoria adianta que o homem está “fortemente indiciado pela prática dos crimes de violência doméstica, sequestro e tentativa de homicídio”, pelo que, após o primeiro interrogatório de arguido detido, o Juiz de Instrução Criminal decretou-lhe a prisão preventiva.

Os crimes ocorreram no passado dia 18, no Mucifal, Sintra, e “segundo os fortes indícios recolhidos, o arguido atropelou a companheira, deixando-a com uma fratura exposta numa perna ao mesmo tempo que sequestrou a filha menor da companheira, com apenas seis anos”, adianta a PGDL.

O caso foi entregue ao Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas da GNR de Lisboa e agora, ouvido pelo juiz, o arguido ficou em prisão preventiva.

No passado dia 22, o Observatório de Mulheres Assassinadas divulgou dados que revelam que o número de mulheres assassinadas este ano em contexto de intimidade ou relações familiares próximas atingiu as 24, mais seis do que no ano passado.

Em 63% dos casos, revela o relatório, o agressor foi o marido, companheiro ou namorado da vítima.

O valor ultrapassa os 20 casos de homicídios de mulheres registados pelo observatório da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) em todo o ano de 2017.

Este ano, o grupo etário que registou mais mortes foi o das mulheres com mais de 65 anos, seguido da faixa etária entre os 36 e os 50 anos.

No que se refere a tentativas de homicídio, registou-se uma diminuição, passando de 23 em 2017 para 16 este ano.