“O processo obriga a uma paragem dos meios para que sejam avaliados pela nova empresa”, afirmou, adiantando que há questões processuais e administrativas que inviabilizam a operação das aeronaves.