Dez por cento das vacinas contra a gripe destinadas aos idosos vão poder ser administradas em 2 mil farmácias do país em complementaridade ao Serviço Nacional de Saúde, anunciou esta segunda-feira o secretário de Estado-Adjunto e da Saúde.

Além da vacinação nos centros de saúde este ano, cerca de 10% das vacinas reservadas à população com mais de 65 anos poderão ser administradas em 2 mil farmácias de todo o país graças também a um esforço e empenho” da Associação Nacional de Farmácias e da Associação de Farmácias de Portugal, “em regime de complementaridade ao Serviço Nacional de Saúde”, avançou António Lacerda Sales na conferência de imprensa sobre a covid-19.

No dia em que começa a primeira fase de vacinação contra a gripe, pela primeira vez em setembro para minimizar a circulação simultânea do vírus da gripe sazonal e do SARS-CoV-2, o governante destacou uma campanha que une as ordens dos Enfermeiros (OE), dos Farmacêuticos (OF) e dos Médicos (OM) ao Ministério da Saúde em “prol do sucesso desta campanha vacinal”.

A campanha, com o mote “Vacine-se por si, vacine-se por todos” visa chegar nesta fase, de “forma muito particular aos profissionais de saúde, cuja necessidade de proteção é este ano ainda mais necessária, mas também aos idosos, às grávidas aos doentes crónicos e a todos os que devem ser protegidos na primeira e na segunda fase da vacinação”, que começa a 19 de outubro.

A pandemia tem-nos ensinado muito sobre união. Tem sido através do esforço de todos que temos conseguido ultrapassar muitos dos desafios que nos têm sido colocados. Também em matéria de vacinação contra a gripe estamos outra vez todos juntos em prol do sucesso desta campanha vacinal que será o sucesso do país”, salientou António Lacerda Sales.

Assim, as três ordens profissionais uniram-se ao Ministério da Saúde, através da Direção-Geral de Saúde, no desenvolvimento e suporte financeiro desta “campanha de comunicação que visa que ninguém dos grupos de risco identificados fique por vacinar este ano”, disse agradecendo aos bastonários da OE, Ana Rita Cavado, da OF, Ana Paula Martins, e da OM, Miguel Guimarães, pelo seu “contributo na defesa da saúde dos portugueses”.

As 335 mil doses de vacinas desta primeira fase da campanha de vacinação destinam-se aos profissionais de saúde que prestam serviços ao público, grávidas e idosos residentes em lares.

Segundo António Lacerda Sales, os dois milhões de vacinas chegarão em tranches. “As pessoas não serão vacinadas todas de uma vez, é um processo organizativo dos cuidados de saúde primários que decorrerá com serenidade até ao final do ano”.

Há 51 surtos em lares de idosos

 A diretora-geral da Saúde revelou que há, neste momento, 51 surtos ativos em lares de idosos, sendo o maior número na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Nas estruturas residenciais para idosos há 51 surtos ativos neste momento”, disse Graça Freitas.

Segundo a diretora-geral da Saúde, 10 surtos estão ativos na região Norte, dois no Centro, 33 na região de Lisboa e Vale do Tejo, três no Alentejo e três no Algarve.

Há 4.970 profissionais de saúde infetados

Um total de 4.970 profissionais de saúde estão infetados com covid-19, 629 dos quais são médicos e 1.435 enfermeiros, revelou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

António Lacerda Sales avançou que, entre os profissionais de saúde, estão também infetados com covid-19 1.401 assistentes operacionais, 166 assistentes técnicos e 167 técnicos superiores de diagnostico e terapêutica.

O secretário de Estado destacou ainda que 4.108 profissionais de saúde recuperaram da doença desde o inicio da pandemia, significando “uma percentagem superior a 82 % de recuperados”.

Cartão de localização de passageiros dos aviões passa a ser digital em outubro

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde anunciou que o cartão de localização de passageiros dos aviões, que permite rastrear possíveis casos de Covid-19, vai passar a ser totalmente digital em outubro.

António Lacerda Sales afirmou que o PLC (Passenger Location Card, denominação em inglês) vai funcionar, a partir de 2 de outubro, com a versão em papel e digital e, a partir de 9 de outubro, passa a ser exclusivamente digital.

Este cartão de localização de passageiros entrou em vigor quando os aeroportos e as companhias aéreas retomaram a atividade, após o período de confinamento, e permite rastrear possíveis casos de covid-19, depois de um passageiro, após a viagem, testar positivo para a doença.

Todos os passageiros têm que obrigatoriamente entregar este cartão à chegada, sendo disponibilizado pela companhia aérea durante o voo.

O anúncio foi feito depois de Lacerda Sales ter sido questionado sobre a aglomeração de passageiros registada no domingo de manhã, na zona da área internacional do Aeroporto de Lisboa, numa altura em que aterraram 18 voos, com cerca de 1.400 passageiros.

Esperamos que tenha sido uma situação meramente pontual que não é recomendável sob o ponto de vista de saúde pública”, disse António Lacerda Sales.

/ HCL