O secretário de Estado Adjunto e da Saúde anunciou, esta sexta-feira numa entrevista à TVI24, que o Governo vai comprar mais 146 mil doses da vacina da gripe para reforçar e preparar melhor o outono/inverno que se segue. Isto representa um aumento de 7% em relação ao ano passado. 

Nesta época 2021/2022 vamos fazer um reforço de 7%, mais 146 mil doses para podermos estar preparados para esta situação", revelou.

António Lacerda Sales disse que está a ser feito um referencial "que saíra dentro de pouco tempo", cujo objetivo é reforçar a vigilância epidemiológica, mas "acima de tudo" reforçar a vacinação da gripe sazonal.

No entanto, ressalvou que as aprendizagens que foram feitas com a pandemia de covid-19 não devem ser esquecidas, antes pelo contrário. 

A gripe este ano foi residual, em função do conjunto de métodos de barreira que temos. Houve aqui uma aprendizagem e por isso eu acho que devemos utilizar essas aprendizagens de futuro, para que possamos estar mais protegidos."

No total, Portugal vai adquirir 2,24 milhões de vacinas. Desde 2016 que o país tem vindo a reforçar o esquema vacinal da gripe. 

VEJA TAMBÉM:

A campanha de vacinação contra a gripe deverá começar no início de outubro, com a vacinação dos grupos prioritários.

Em comunicado, a Direção-Geral da Saúde esclarece que: "A primeira fase irá privilegiar novamente utentes de lares residenciais, serviços de apoio domiciliário, centros de acolhimento temporário e unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), seguindo-se os profissionais de saúde e mulheres grávidas, também considerados prioritários".

À semelhança dos anos anteriores, as vacinas disponíveis em Portugal serão tetravalentes, incluindo 4 tipos de vírus da gripe (2 do tipo A e 2 do tipo B).

De recordar que, no Serviço Nacional de Saúde (SNS), a vacina é gratuita para cidadãos com idade igual ou superior a 65 anos, para pessoas residentes ou internadas em instituições, para pessoas com algumas doenças específicas, para profissionais de saúde do SNS e para os bombeiros.

Cláudia Évora