18 pessoas ficaram feridas esta segunda-feira num incêndio num lar de idosos em Rossio ao Sul do Tejo, no concelho de Abrantes. 

Sete idosos foram transportados ao hospital de Abrantes, feridos com gravidade, e 11 utentes foram assistidos no local, devido à inalação de fumos.

Dos sete idosos que ficaram em estado grave, três foram transferidos para unidades hospitalares em Lisboa e Porto, disse fonte do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT).

Dos sete feridos que deram entrada no hospital de Abrantes, seis são considerados graves, sendo três deles por queimaduras e outros três por inalação de monóxido de carbono”, disse à Lusa a diretora do serviço de urgência do hospital de Abrantes, no distrito de Santarém.

Segundo Ana Rita Cardoso, três feridos graves tiveram de ser transferidos para os hospitais de São Francisco Xavier (Lisboa), São José (Lisboa) e São João (Porto), sendo estas as “situações que inspiram mais cuidados".

A diretora do serviço de urgência do hospital de Abrantes acrescentou que uma idosa, com 79 anos, "apresenta um quadro clínico muito grave com 65% a 70% do corpo com queimaduras de 2º e 3º grau", tendo sido transportada de helicóptero para a unidade de queimados do hospital de São José, em Lisboa.

Segundo aquela responsável, dois idosos, com 78 e 82 anos, foram também transferidos para as unidades hospitalares de São Francisco Xavier e São João, um de helicóptero e um outro de ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV), com "queimaduras nas vias áreas".

Os restantes quatro idosos, todos com idades entre os 75 e os 89 anos, "estão estabilizados e em observação e vigilância" no serviço de urgência da unidade hospitalar de Abrantes.

O alerta para o incêndio foi recebido às 10:27 e o fogo foi extinto entretanto. 

Ao que a TVI conseguiu apurar, o lar tinha licença para três utentes, mas nesta altura albergaria 18. 

O incêndio terá começado num aquecedor, que estava tapado com um cobertor. As consequências das chamas só não foram piores porque um carro dos bombeiros de Abrantes passava perto do local quando o incêndio começou, tendo três operacionais entrado no lar debaixo de fogo para retirar utentes e funcionários. 

Nas operações de socorro estiveram 33 operacionais e 13 viaturas dos bombeiros, uma ambulância de suporte imediato de vida (SIV) de Torres Novas, uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) do Hospital de Abrantes, um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e autoridades policiais.

O incêndio foi combatido pelos bombeiros de Abrantes, Vila Nova da Barquinha, Constância, Entroncamento e Sardoal.

 

Em declarações à Lusa, a vereadora da Câmara Municipal de Abrantes responsável pelo pelouro da Ação Social, Celeste Simão, adiantou que a Segurança Social já fez “os devidos encaminhamentos das pessoas”.