Os utentes de um lar ilegal em Évora infetados com covid-19 foram avaliados no hospital da cidade para  “confirmação de eventuais critérios de internamento” nesta unidade. A TVI sabe que quatro dos idosos ficaram internados, para além dos outros dois que já tinham sido inicialmente hospitalizados, e os restantes voltaram às instalações do lar. Deverão agora ser transferidos para uma antiga residência universitária em Évora, que está a ser preparada para o efeito, não podendo permanecer no lar por se tratar de uma instituição ilegal.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo revelou que esta decisão de transportar os idosos do lar para avaliação no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) foi tomada depois de os utentes terem sido avaliados por médicos ainda no lar.

Após avaliação clínica de todos os residentes, pelos médicos especialistas de Medicina Geral e Familiar do Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Alentejo Central, foram os mesmos referenciados” para o HESE, explicou a ARS.

Os idosos foram transportados pelos bombeiros, desde sábado à noite, para a Área Dedicada à Covid-19 (ADC-Covid) do Serviço de Urgência do HESE, “para confirmação de eventuais critérios de internamento hospitalar”, justificou a fonte.

Este procedimento foi “devidamente articulado com o HESE”, assinalou a ARS, com base em informações da Autoridade de Saúde Pública e do ACES Alentejo Central.

Ainda no sábado, num comunicado divulgado pelo advogado da proprietária do lar, a direção assegura que foram cumpridas todas as normas da Direção-Geral de Saúde.

A Autoridade de Saúde Pública e o ACES Alentejo Central revelaram que, do total de 39 pessoas testadas no lar, “até ao momento estão confirmados 29 utentes e sete funcionários positivos” para a doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

O primeiro caso positivo detetado neste lar foi o de um idoso que foi transportado, na quinta-feira, para o HESE, onde fez o teste à doença.

Na sexta-feira, foram realizados testes aos restantes utentes e a todos os funcionários do lar, os quais, segundo informou a câmara municipal, no sábado de manhã, resultaram em 39 positivos, nomeadamente 29 idosos e 10 trabalhadores, embora agora a Autoridade de Saúde apenas confirme sete funcionários.

O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, revelou que o lar está ilegal porque se localiza numa zona da cidade cujo plano de urbanização não permite a instalação deste tipo de instituições.

No sábado, as autoridades avaliaram os idosos com covid-19 e as condições da instituição, para decidir sobre uma eventual evacuação do espaço, mas a mesma não se verificou durante o dia, tendo também sido avaliados locais para onde os utentes possam eventualmente ser transferidos.

Em conferência de imprensa, o autarca de Évora revelou que, além do primeiro caso de covid-19, outro utente do lar também está internado no HESE, ambos em enfermaria, e que "70 anos é a idade média das pessoas" que estão na instituição.

Portugal contabiliza pelo menos 1.860 mortos associados à covid-19 em 63.310 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Carla Correia / BC/Com Lusa