O número de mortos relacionados com o surto de covid-19 no Lar de Nossa Senhora da Luz, no concelho de Torres Vedras, subiu hoje para seis, informou a Câmara.

Faleceu hoje mais um utente, que se encontrava internado, aumentando para seis o número total de óbitos desde o início do surto”, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Torres Vedras, Carlos Bernardes.

Este surto, no distrito de Lisboa, foi detetado no dia 03 de agosto e havia já a registar a morte de cinco idosos que se encontravam hospitalizados, alguns dos quais com outras morbilidades associadas, segundo as informações divulgadas em comunicado pela direção do Lar de Nossa Senhora da Luz, na localidade de Paradas, na freguesia de A-dos-Cunhados.

De acordo com os dados divulgados à agência Lusa pela Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), o número de casos ativos no equipamento ascende hoje a 71, respeitantes a 48 residentes e 23 funcionários.

Entre os doentes infetados com a doença, 22 residentes do lar mantêm-se hospitalizados.

Segundo o boletim epidemiológico do concelho de Torres Vedras divulgado hoje pela Câmara Municipal, do total de casos ativos, 66 correspondem à União das Freguesias de A-dos-Cunhados e Maceira, dois à freguesia de Silveira e um à freguesia de Santa Maria, São Pedro e Matacães. Três dos casos identificados naquela instituição pertencem ao concelho de Lourinhã.

Com base nos dados reportados até às 23:59 de domingo, o concelho de Torres Vedras regista 103 casos ativos de infeção por SARS-CoV-2, que se encontram a ser acompanhados pelas autoridades de saúde.

Existem ainda 17 casos suspeitos a aguardar os resultados laboratoriais, 112 contactos sob vigilância ativa das autoridades de saúde e sete novo casos recuperados.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infetou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.801 pessoas das 55.720 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

/ JGR