Dois utentes do lar do Centro Social Irmandade de São Torcato, em Guimarães, distrito de Braga, morreram esta semana com covid-19 e outros sete estão internados no hospital com a mesma doença, divulgou esta quinta-feira fonte autárquica.

Na semana passada, a Administração Regional de Saúde do Norte deu conta de um surto de covid-19 naquele lar, com 43 casos positivos de covid-19, entre 34 utentes e nove funcionários.

O lar tinha 35 utentes, o que significa que apenas um acusou negativo.

Os dois utentes que morreram tinham 83 e 87 anos.

Os funcionários infetados e os restantes, à exceção de dois, foram para casa, mas mesmo assim foi possível manter o lar em funcionamento.

Foi possível criar condições para manter no lar os idosos que não precisam de tratamento hospitalar, com os cuidados necessários, num processo que envolveu várias instituições”, disse à Lusa a vereadora da Proteção Civil na Câmara de Guimarães.

Sofia Ferreira sublinhou que é precisamente para acudir a situações como esta que a Câmara de Guimarães vai disponibilizar aos lares equipas de apoio devidamente formadas.

Em causa está uma bolsa de 40 a 50 pessoas, que estão a ser formadas pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e que terão posteriormente o apoio da Segurança Social e da Cruz Vermelha na resposta que darão às necessidades que forem surgindo nos lares.

Trata-se de uma bolsa de profissionais contratados, que estarão aptos a substituir, temporariamente, os funcionários que se vejam incapacitados de exercer as suas funções.

O processo está em curso, esta semana já estão a decorrer as entrevistas no IEFP e a todo o momento haverá já essa disponibilidade”, referiu Sofia Ferreira.

Esta é tida como uma “medida preventiva” para garantir que os utentes dos lares se mantenham no seu local habitual, evitando assim problemas relacionados com a sua saúde mental ou mesmo com morbilidades que possam ter.

/ AG